Energia solar no Oriente Médio e África

A primeira vista o deserto parece um lugar óbvio para explorar energia solar. Nesse contexto, é curioso saber porque essa não é uma atividade tão explorada em uma área desértica grande como cinturão desértico do Norte da África ao Golfo Pérsico. Até recentemente não era economicamente possível desenvolver essa fonte energética na região. Mas a situação está mudando, e rápido.

Você talvez já tenha se perguntado sobre os motivos que a faixa desértica da África ao Oriente Médio não ser famosa pela a produção de energia solar. Após algumas pesquisas sobre a região, descobri que, apenas recentemente, uma combinação de fatores favoreceu a exploração da energia solar na região. Os fatores são bastante variados, os principais são pressão demográfica, solo irregular, baixo preço do petróleo e tecnologia disponível a preços acessíveis. Para os países como Marrocos, a energia renovável pode oferecer o caminho a uma maior autonomia energética. Para outros, como Egito e Arábia Saudita, instabilidade política e exportar a tecnologia de produção de energia e financiar projetos no exterior são motivos primários. O resultado é que, atualmente, muitos países do Oriente Médio e África estão direcionando esforços para a energia solar e essa combinação de fatores, a energia solar deve aumentar sua relevância no médio prazo.

O fator que motivou a pesquisar e escrever esse texto, foi ler a respeito dos planos energéticos do Marrocos. O país é um reino relativamente estável politicamente em uma região instável, o Marrocos importa cerca de 90% de sua energia e está em busca de fontes renováveis para aumentar a segurança energética do pais. A questão é que o Marrocos levou a produção de energia limpa a um patamar superior.

O Marrocos esta construindo a maior usina de captação de energia solar do mundo. Uma usina de produção de energia, basicamente, usa espelhos (ou lentes) que focam nos raios solares para gerar calor e alimentar as turbinas de produção de energia. A primeira etapa do projeto em marroquino foi concluída no início de 2016 e as metas do país não são nada modestas. O Marrocos quer que metade da sua matriz energética seja de origem renovável até 2025, a energia solar responderá por metade dessa demanda, e um dos objetivos do país é exportar o excedente energético.

Em comparação com o Marrocos, o Egito tem mais problemas políticos e suas instituições, inclusive as financeiras, são mais instáveis. Mas a importância do país no contexto mundial, para a região e a vocação natural para a produção de energia solar praticamente obrigam uma menção ao país.

O Egito tem mercado consumidor que demanda bastante energia. Isso abre uma janela de oportunidades e abre caminho para investir em tecnologia que supre a demanda crescente. É surpreendente descobrir que esse país cheio de petróleo constantemente tem problemas energéticos devido a falta de investimento em produção e geração de energia oriundas do óleo e gás, os blackouts são comuns e o país enfrentou recentemente escassez de combustível para cozinhar. Naturalmente, a energia solar não vai resolver esses problemas, mas o governo recentemente fez parcerias com a Coréia do Sul para desenvolver energia solar, isso mostra que – embora pouco ortodoxas – o governo egípcio procura alternativas para resolver seus problemas.

Por último, o Oriente Médio, mais especificamente a Arábia Saudita. O consumo de energia no país esta alto e os preços do petróleo estão baixos, a elevada dependência dessa commodity coloca o governo em uma situação financeira bastante delicada. O consumo interno de petróleo na Arábia Saudita é bastante elevado, para ser mais específico, é o pais que mais usa petróleo no mundo para produção de energia elétrica. Sem novas fontes de geração, o consumo de petróleo será elevado a patamares ainda mais altos.

Em busca de novas fontes, a geração de energia solar faz parte da solução dos Sauditas. Se as metas forem alcançadas, as fontes renováveis responderão por 8% da produção de energia até 2020, 15% ate 2030 e – a pesar de não especificarem a quantidade – o governo assegura que a energia solar será a responsável pela maior parte disso. Além disso, a companhia energética estatal está envolvida em projetos na região, como o de Marrocos.

Em conclusão, a energia solar dificilmente vai substituir os hidrocarbonetos como fonte primaria de energia na região. Mas, a energia proveniente do sol tem um grande potencial de diversificar a matriz energética nos locais onde e viável construir a estrutura necessária. A pesar do petróleo continuar a ser a matriz energética regional predominante por mais algumas décadas, a energia solar já ganha importância. Com esse aumento, a tendência para a tecnologia de captação dos raios solares ficará mais barata e ajudará os países a diversificar sua matriz energética.

Advertisements
Standard

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s